Podemos fazer um 2016 melhor ainda.

2015 foi o ano em que o jogo virou definitivamente para a pólio. O vírus que causa a doença está mais cercado que nunca. Até agora, neste ano, 66 casos gerados pelo vírus selvagem foram reportados em apenas dois países endêmicos remanescentes, Paquistão e Afeganistão, comparados aos 324 casos encontrados em nove países em 2014.

Nigéria

Estamos chegando à linha final. Em 2015, de três, os países endêmicos da pólio foram reduzidos a dois. Em 24 de julho, a Nigéria conseguiu ficar um ano sem pólio, e foi retirada da lista dos países endêmicos. E o mês seguinte marcou um ano sem nenhum caso de pólio selvagem em todo continente africano. Em toda África, o objetivo de se interromper a transmissão está sendo trocado pelo da resistência contra a volta do vírus. São necessários mais dois anos sem nenhum caso de pólio para que a Região da África segundo a OMS possa ser declarada livre da pólio. Mas temos outros desafios que precisam ser encarados em 2016.

Afeganistão

A ocorrência da pólio no Afeganistão permaneceu baixa em 2015, com um total de 16 casos contra 21 em 2014. Contudo, enquanto que em 2014 a maioria dos casos veio do Paquistão, neste ano a maioria foi causada por vírus nativos do próprio país. E riscos à segurança continuam a ameaçar os programas de vacinação, mas os vacinadores e voluntários continuam determinados em sua missão.

Paquistão

O Paquistão vem conseguindo um progresso enorme, e reduziu 80% dos casos que teve em 2014, graças em parte à implantação do Centro Emergencial de Operações Emergencial, que logrou vacinar 350.000 pessoas em áreas de alto risco somente em 2015, além de fornecer outros serviços de saúde básica. Com isso, o número de crianças inacessíveis à vacinação caiu de 300.000 em 2014 para apenas 35.000 neste ano.

Vírus circulante da vacina

Em decorrência da redução do número de casos pelo vírus selvagem, os casos da doença causados pelo vírus circulante derivado da vacina oral passaram a ficar em evidência em 2015. O fenômeno que pode ocorrer quando a população não se encontra devidamente imunizada é causado pelo vírus do tipo 2 – vírus que em seu estado natural não é visto desde 1999, e por isso foi declarado erradicado em 2015. Ao todo foram seis países: Guiné, República Democrática do Laos, Madagascar, Myanmar, Nigéria e Ucrânia. Foi muito menos que em 2014, mas para evitar a ocorrência do vírus circulante da vacina oral, em abril de 2016 acontecerá uma gigantesca operação global para a troca simultânea, em todos os países do mundo, da vacina oral trivalente para a bivalente.

Para eliminar a possibilidade da transmissão do vírus circulante da vacina oral, todos os recém nascidos do mundo estarão recebendo doses da vacina injetável para imunizá-las contra o vírus do tipo 2, o que já acontece em 83% dos países do mundo.

O legado da pólio

Os países e parceiros do programa devem continuar a trabalhar para que a infraestrutura criada – milhões de pessoas treinadas, um sistema global de monitoramento, e um sistema global de ação contra epidemias – possa ser utilizada por outros programas de saúde, uma vez erradicada a doença, como foi no caso do combate ao Ebola na África.

Falta pouco

Agora, é mais importante que nunca que mantenhamos o impulso que nos trouxe até aqui. Para que possamos erradicar a pólio de vez, é essencial que alcancemos uma alta cobertura de imunização no mundo inteiro; melhoremos a vigilância da doença até que tenhamos a certeza de que o vírus da pólio foi afugentado dos seus redutos; e continuemos a financiar o programa até o último caso ser encontrado.

2015 foi um grande ano na luta contra a pólio. Podemos fazer um 2016 melhor ainda.

Tradução adaptada do artigo “Another year, another step closer to a polio-free world” de 16/12/2015 do GPEI.

Wan Yu Chih, Membro da Subcomissão Distrital Polio Plus do Rotary Distrito 4651 de Santa Catarina.

2 comentários sobre “Podemos fazer um 2016 melhor ainda.

  1. Bom Dia,

    Ainda está podendo encomendar as camisetas da End Polio Now? Tem como mandar os valores certinho?

    Rotaractiosamente

    Aline Aguiar Vargas

    ________________________________

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s